a musa do poeta cego


atiro uma pedra,
na janela do poeta,
que outrora veio à mim.

e desejo que o mesmo,
me veja do vidro na janela,
e pergunte “quem é ela que me pertuba assim?”

me sento e espero,
que desça da torre,
aqueles olhos de marfim.

e, quando ouve minha voz, sorri,
abre os braços e me procura no ar,
dizendo “te quero comigo até o fim”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: