Esclarecei-vos.


Eu andei buscando respostas para muita coisa que houve em minha vida, mas cheguei à um ponto, o que estou agora, em que respostas deixaram de ser necessárias e eu parei de fazer perguntas. Estou parando de me importar.

Não vivi muito, não vivenciei muita coisa, mas em minha breve vida de vinte e três anos eu aprendi que em certos momentos, quase todos, as perguntas são as coisas que menos devem importar, assim como suas respostas, porque as pessoas não merecem que tentemos entendê-las e nós não merecemos tentar entender quem não faz o mesmo por ti. A famosa lei do retorno.

Acredito que esse pensamento meu possa ser drástico ou precipitado. Dramático até. Mas não ligo mais para os rótulos que cairão sobre mim ao me posicionar, porque mais do que isso, mais do que me preocupar com o que pensarão de mim, eu aprendi e estou aprendendo a me preocupar com o valor que eu tenho e com o respeito que devo à mim mesmo, e o preço disso é maior e mais caro, mais pesado, que qualquer rótulo.

E partindo disso é que eu afirmo, para aqueles que não são capazes de notar, as minhas mudanças de comportamento, de crença, de esperança e de luta, pois não sou mais, e nem voltarei a ser, capaz de colocar minha mão no fogo por pessoas que se quer pensam nessa possibilidade por mim. Uns afirmarão que estou generalizando, mas que seja. Que seja uma generalização então. O que não posso permitir é que as pessoas façam o que quiserem ao seu bel prazer e passem impune por meus olhos e por minha consciência. Com tudo isso, claro, vem os agregados de tal posicionamento como a minha nova maneira fria de ser, meu jeito distante de conversar, minha mais nova capacidade de não me aproximar e não me apegar ou, quando acontecido, a minha nova capacidade de me desligar e me afastar sem sobrar sequelas ou restos de sentimentos.

Admito que não tenho do que reclamar em minha vida e talvez, quase com certeza, eu devo estar reclamando de barriga cheia, como tantos apontam o dedo para dizer que faço. Mas tenho a certeza de que eu não seria eu mesmo se não fosse capaz de expôr, mesmo a contragosto de alguns, o que sinto e penso, porque isso faz parte de minha essência e isso que torna tão forte a minha palavra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: